Arquivo do autor:Eleonora Chaya

Atenção ao que você consome!

É de revirar o estômago, literalmente.

De produtos alimentícios, como refrigerantes, doces e chicletes, a cosméticos e até vacinas, podemos estar consumindo produtos que levam fetos humanos em sua composição.

Marcas grandes, entre elas Pepsi e Nestlé, estão entre as empresas que promovem a indústria do aborto e utilizam os fetos para fabricar seus produtos, como foi publicado recentemente nos EUA.

Há, agora, um movimento dos defensores da vida na tentativa de boicotar tais empresas. Para ajudar, além de divulgar essas informações, você pode curtir a página Boicote à Pepsico, no Facebook. Você também pode saber um pouco mais sobre o assunto aqui.

Em rápida pesquisa, não consegui achar uma lista de produtos brasileiros equivalente à publicada nos Estados Unidos, a exemplo das infinitas listas de produtos testados em animais.

Embora também concorde que podemos dar um fim aos testes com animais, não entendo como fetos de seres humanos não causam a mesma indignação e mobilização. É a inversão de valores em seu mais alto grau.

Essa mulher, sim, me representa

Talvez vocês já tenham visto, mas eu não podia deixar de publicar no blog.

Para saber mais, veja o depoimento da Renata aqui.

Próxima audiência

Caros,

A próxima audiência pública sobre as mudanças no Código Penal na seção de Crimes Contra a Vida será em Brasília, no dia 8 de março.

Por favor, compareçam! Não deixem que seja como foi a audiência em SP, tomada por grupos abortistas. Vejam abaixo o que o Cel. Paes de Lira presenciou na primeira audiência.

A audiência pública em SP

Vocês devem estar acompanhando em alguns sites a estupidez que foi a Audiência Pública em São Paulo, na sexta passada (24). Alguns defensores da vida deram seus depoimentos e vocês não podem deixar de ler, se quiserem saber o show de horrores que foi:

Quem defenderá o indefeso?

Uma brilhante audiência pública em defesa da vida!

Leitora conta sua experiência na audiência pública que debateu o aborto

Audiência: ouvir o grito silencioso?

Uma carta esclarecedora

A única coisa que posso fazer é complementar falando sobre algo que não me sai da cabeça.

As falas das feministas intercalaram-se com as de grupos contra a impunidade. Grupos formados por familiares de vítimas de violência de diversos tipos. Entre eles, Keiko Ota, a mãe do menino Ives, brutalmente assassinado em um sequestro aos 8 anos de idade.

Não dá para deixar de pensar: inúmeras pessoas naquela sala nunca mais poderão ver pessoas queridas e fariam de tudo para as terem de volta. Precisam conviver com a dor diária da ausência e das lembranças terríveis do que aconteceu. Acordam todas as manhãs desejando que tudo não passe de um pesadelo. Vão dormir frustradas sabendo que os assassinos de seus filhos ou estão soltos, ou cumpriram uma pena ínfima.

Na mesmíssima sala, um grupo ensandecido de mulheres defende o que aquelas famílias querem todo dia esquecer: o assassinato de um inocente. Tantas mães querendo seus filhos de volta, e tanta gente lutando para que outras matem sua própria prole. Todos ali, respirando o mesmo ar.

Fiquei pensando se, no meio daquela loucura, isso passou pela cabeça de alguma mãe cujo filho morreu vítima da violência. Se uma daquelas mães não sentiu o mínimo de revolta por ver que outras mulheres, se fossem mães, dariam cabo da vida de seus filhos. Nunca terei essa resposta.

A única coisa que sei é que, de um lado, estava um grupo em defesa do assassinato, e de outro, um grupo lutando para dar um fim nisso. E que as feministas podem até perceber, mas jamais admitirão a incoerência e o absurdo da situação.

Mais material para munição:

Contestando os argumentos dos abortistas

Falando em argumentos…

Falando em argumentos…

Se realmente, no Brasil, o aborto é um “caso de saúde pública”, então porque o movimento pró-aborto e o PT não aceitam a criação da CPI do aborto? Já que estão morrendo um milhão de mulheres por ano por causa do aborto ilegal, nada melhor do que criar uma CPI, como quer o movimento pró-vida, para investigar tudo o que existe por trás dessa prática.

O PT não esquece o aborto, por Ivanaldo Santos

Vocês leram esse excelente artigo que saiu no Mídia Sem Máscara, de ontem? Só tive tempo de ler hoje, e vem bem a calhar com o que escrevi ontem.

Ivanaldo toca nos pontos mais importantes da questão do aborto no Brasil: entre outros, de por que o PT e o movimento esquerdista querem a qualquer custo legalizar o aborto, e como fazem de tudo para impedir que dados claros sejam divulgados sobre o número de abortos no país. E ainda há a curta, objetiva e inestimável contribuição de Heitor de Paola ao final.

É, sem dúvida, um artigo para ler, reler, imprimir e usar de arma contra os falaciosos argumentos abortistas.